PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO

Em uma região marcada estruturalmente pelas desigualdades sociais e pela dificuldade de acesso à escolaridade básica e de expansão qualitativa das redes educacionais públicas, o PPG-EDU tem seu objetivo institucional-acadêmico de produção do conhecimento na perspectiva da formação humana e das políticas que possam propor dispositivos de enfrentamentos em face destas desigualdades.

O período entre o último ano do quadriênio passado e o ano de 2017 foi um tempo marcado por aguda crise econômica, fiscal e política do Estado do Rio de Janeiro, afetando diretamente toda a área de ciência e tecnologia, especificamente, a UERJ e a FAPERJ que tiveram radical corte de recursos de custeio e de financiamento. A despeito das dificuldades financeiras e estruturais que enfrentamos, destacamos o empenho do corpo docente no cumprimento de todas as atividades acadêmicas, curriculares e administrativas, como calendário de defesas dentro do prazo, conclusão dos semestres letivos e realização de várias atividades acadêmicas e do Seminário Interno. Ressalta-se, sobretudo, a continuidade da produção intelectual, visibilizada por meio das publicações qualificadas, bem como da organização e da participação em eventos científicos.

 

Para cumprir tal compromisso, o Programa vem investindo na qualificação crescente do nosso corpo docente, que se expressa nos seguintes dados: começamos 2020 com o corpo docente composto por 16 professores permanentes e 02 (duas) docentes colaboradoras. Do total dos professores 11 (onze) já concluíram os estudos de pós-doutoramento. O Programa conta ainda com três pesquisadoras realizando estágio de pós-doutoramento, uma com bolsa do Programa Nacional de Pós-doutorado (PNPD), pesquisadora que é vinculada ao Laboratório de Educação e Imagem, e outras 2 (duas) sem bolsa, docentes da Universidade Federal Fluminense e da FIOCRUZ.
Dois docentes têm bolsa de produtividade em Pesquisa do CNPQ, uma é bolsista premiada pelo Programa Cientista do Nosso Estado (FAPERJ) e 3 (três) premiadas pelo Programa Jovem Cientista do Nosso Estado (FAPERJ). Uma professora recebe Auxílio ingressante FAPEPEX/UNICAMP e Auxílio à Pesquisa Regular da FAPESP, e um professor recebe Auxilio APQ1 da FAPERJ. Desse conjunto de professores cadastrados no Programa, 10 (dez) recebem a bolsa de produtividade da UERJ denominada Programa PROCIÊNCIA/UERJ/FAPERJ, com duração de três anos, renováveis mediante rigorosa seleção, sendo que nossos docentes a têm renovado com sucesso. Uma das professoras recebe Bolsa Pesquisador visitante UERJ - Bolsa pesquisador emérito FAPERJ. Quatro tiveram aprovado financiamento do CNPQ-Edital Universal ainda em 2018, além da concessão de financiamento CAPES para o pós-doutorado no exterior (pelo menos uma deve receber financiamento PRINT/CAPES da UERJ). A Qualidade das atividades de pesquisa e da produção intelectual do corpo docente do Programa é destacada.

Outro aspecto a destacar foi o processo de recredenciamento, descredenciamento e credenciamento de novos professores realizado em 2019. Para essa finalidade, foram compostas comissões com membros internos e externos. O recredenciamento e o descredenciamento tiveram caráter formativo e autoavaliativo. O resultado da comissão foi discutido pelo corpo docente, de modo a analisar os parâmetros que contextualizaram a situação de vínculo de cada docente com o Programa. A discussão processual das ações do Programa aconteceram nos Seminários Internos realizados em fevereiro de 2017, março de 2018, e em março e setembro de 2019 (nos seminários de março, após análise da produção da equipe, foi elaborado relatório individual endereçado a cada docente, de forma que a avaliação fosse incorporada como um direcionamento de ações formativas para cada um, servindo como parâmetro para a redefinição do vínculo do docente no Programa). Quanto ao credenciamento, o Programa designou uma segunda comissão, responsável pela elaboração e divulgação de um edital público com o objetivo de selecionar novos professores doutores para o quadro permanente. Foram selecionados 4 (quatro) novos doutores em Educação, credenciados, em 2019, mas sem atividade de orientação e docência nesse ano.

Assim, o acompanhamento do corpo docente permanente do Programa tem sido objeto de avaliação contínua, tendo como referência os critérios definidos pela CAPES da área e do Regimento do Programa, tornando sempre transparente a discussão e as deliberações decorrentes deste processo. A proposta de autoavaliação dos Cursos do nosso Programa, iniciada nesse ano de 2019, conforme os novos parâmetros da CAPES para o aprimoramento da avaliação dos programas de pós-graduação, possui características inovadoras. Assim a consideramos, uma vez que novos procedimentos de autoavaliação agregaram-se às ações que vínhamos implementando ao longo dos dez anos de vida do Programa. A composição de diferentes dispositivos, em sua processualidade, vão dando pistas e introduzindo elementos para consolidar uma série de práticas institucionais e acadêmicas exitosas, bem como para alterar tantas outras. Atualmente, os dispositivos de autoavaliação são: 1) FÓRUNS realizados duas vezes ao ano, um à cada semestre, e que têm como pauta a discussão dos procedimentos acadêmicos e políticos do Programa. Os fóruns são compostos por estudantes, professores e secretário; 2) SEMINÁRIO DISCENTE E DE EGRESSOS, realizado a cada dois anos, o último acontecido em outubro de 2018. Um dos resultados, relacionado com a proposta de acompanhamento da formação de nossos estudantes e egressos, foi a publicação de um e-book que dá visibilidade à produção qualificada. Os textos que integraram o e-book foram submetidos a uma comissão cientifica formada por professores doutores, de modo a afirmar nossa preocupação com a qualidade da formação dos mestrandos e mestres (link de acesso ao e-book:
<https://drive.google.com/file/d/1ECRTiSMfkXMNMH6rOUDlIEbkaiTSV3HE/view>)O próximo seminário deve acontecer em 2020 e já está sendo organizado pelos bolsistas do Programa. Esse é um efetivo canal de escuta e acompanhamento do processo formativo; 3) REUNIÕES DE COLEGIADO: nas reuniões mensais, integram a pauta as discussões que surgem a partir das demandas acadêmicas, políticas e administrativas do Programa. Participam das reuniões professores, representantes estudantis e secretário; 4) PROCESSO DE AUTOAVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: em 2019, foi criada a Comissão Permanente de Autoavaliação e Planejamento, com a finalidade de implementar novas práticas de autoavaliação e de planejamento do Programa adotando a metodologia do planejamento participativo. A primeira etapa foi a de sensibilização de todos os implicados, docentes, estudantes ativos e egressos. A segunda etapa, consistiu na elaboração do Marco de Referência do Programa, documento construído de forma participativa, de modo a declarar a nossa visão prospectiva acerca do Programa que desejamos ajudar a construir. A grande pergunta a ser respondida é: o que queremos alcançar, em um duplo posicionamento, político e pedagógico? A terceira etapa foi a realização da Autoavaliação Diagnóstica. A pergunta fundamental dessa etapa é: a que distância estamos daquilo que queremos alcançar? Mais que uma descrição da realidade existente, coube realizar um juízo sobre ela. Finalmente, a última etapa, realizada em setembro, durante o Seminário de Planejamento e Autoavaliação, foi a elaboração de um plano quinquenal (2019-2023), descrevendo as ações a serem implementadas, incluindo os objetivos e as políticas de ação. A pergunta que move a etapa da Programação é: o que faremos, em prazo determinado, para diminuir a distância do que traçamos perspectivamente no Marco de Referência? Ampliaremos essa descrição no nos itens específicos de Autoavaliação e Planejamento da Plataforma. Finalmente, cabe destacar o envolvimento e a participação quantitativa e qualitativa dos corpos docente, discente e de egressos em relação às atividades de formação e de planejamento.
Consideramos um ponto forte do Programa a intensa produção qualificada dos professores e discentes o que produz um forte impacto social que pode ser constatado no item Impacto Social e nos itens de produção Qualificada de Estudantes, Professores e Egressos.

 

Sobre o item Qualidade e Adequação das Teses, Dissertações ou Equivalente em relação às Áreas de Concentração e Linhas de Pesquisa do Programa, respondemos que estamos continuamente avaliando os nossos produtos e processos, a saber: os Seminários de Orientação e Pesquisa, componentes curriculares obrigatórios dos Curso de Mestrado e de Doutorado, acompanham os estudantes na sistematização do projeto de qualificação da Dissertação e da Tese insistindo na fundamentação da aderência do projeto a nossa área de concentração e às linhas de pesquisa; os Exames de Qualificação verificam se os mesmos elementos estão sendo observados pelos estudantes no desenvolvimento de suas pesquisas; as disciplinas de Prática de Pesquisa prestam um acompanhamento semanal durante 18 meses para elaboração da Dissertação; finalmente nossas Dissertações e Teses são avaliadas por Bancas de doutores – majoritariamente em Educação – provenientes de programas nacionais e internacionais com ata que fundamenta a decisão de aprovação. Todas as nossas Dissertações e Teses também passam por avaliação técnica da Rede Sirius da Biblioteca da UERJ para serem finalmente aprovadas.

A contínua e crescente produção intelectual do corpo docente e discente, no último quadriênio, nos credenciou a obter avaliação 5 pelo Comitê de Avaliadores da CAPES, não obstante decisão do CTC em reduzir a nota para 4, alegando que um Mestrado sem Curso de Doutorado não poderia lograr a nota máxima. No entanto, o acompanhamento da progressão da produção do Programa em 2017, 2018 e 2019, bem como a implantação do Curso de Doutorado, em 2019, sinaliza um cenário bastante favorável à consolidação progressiva e sustentável do Programa.

 

A forte integração do Programa com a Escola Básica, através de projetos de pesquisa e de extensão, é um outro ponto forte. Os doutorados, mestrandos e graduandos bolsistas nas modalidades de Iniciação Científica, Iniciação à Docência e de Extensão, inserem-se nas escolas em que são desenvolvidos os projetos. Destacada atenção damos aos desdobramentos de nossas atividades de pesquisa em termos da consolidação e ampliação de nossa inserção no acompanhamento de espaços e processos de discussão de políticas públicas e ações, com ênfase na presença de docentes e discentes em Conselhos Participativos e paritários entre governo e sociedade civil, tais como os Conselhos Municipais de Educação de São Gonçalo e de Niterói, e fóruns de debates, formulação e acompanhamento de políticas educacionais em nível municipal, estadual e nacional, influenciando diretamente nos processos formativos dos nossos egressos inseridos em diversas instituições. Na UERJ também estamos inseridos em Fóruns como o Conselho Superior de Ensino e Pesquisa e Extensão (CSEPE), no Conselho universitário (CONSUN) no Conselho Consultivo da Sub-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, na Coordenação do Curso de Pedagogia, e em diversas outras instâncias de avaliação como os Programas PIBIC, PIBICT, Prociência, PROATEC, CETREINA.